14 de ago de 2011

Notícias do front

Demolição não é fácil... Parece ridículo, mas dessa vez, na terapia, eu trabalhei esse processo de desconstrução. Pra mim é muito complicado destruir e construir novamente. Eu sou linear, sou metódico, sou das coisas retas, sou do objeto no seu lugar, sabe? Sei que isso é ser super careta, mas é a maneira que eu me encontrei quando dei por mim na minha vida.
Mudança! Essa é outra palavra que me abala as estruturas. Mudar de casa, de apartamento, pra mim é uma dor física, de verdade. Da última vez que me mudei, há três anos, eu fui pra cama, com febre e vomitei durante a noite. Lembro do cheiro do apartamento quando me mudei. Sabe aquele cheiro que não é seu, aquele cheiro que você não se reconhece? Eu sofro muito com essas coisas...
Tá, mas e daí? Por que mudar? Por que reformar? Vocês devem estar se perguntando... E eu respondo:
Mudanças ocorrem dentro da gente. Reformas precisam ocorrer dentro da gente. Afora os clichês eu posso dizer que pensar nossas fraquezas e assumi-las é um processo bacana pra nos surpreendermos com a gente mesmo. Quando se enfrenta esse processo de descontruir para encontrar o melhor não tem como, mesmo tudo dando errado, piorar... É isso que eu tô tentando...
O bacana é que, dessa vez, eu tô super bem com a reforma. A poeira, a surpresa do cano aparente, o buraco sem ralo, o cinza do cimento e a terracota do tijolo não me assustaram tanto. Eu to feliz por ter a oportunidade de criar um novo espaço de conforto pra mim. É, essa zona de conforto não me larga, é só nisso que sei viver... Mas me permitir alterá-la, para ficar ainda mais confortável, foi um avanço, sem dúvida...
Tem uma música do Gilberto Gil, que fala sobre as rupturas do amor, do grão que tem que morrer pra germinar. É Drão. A letra dessa "parábola do amor" é linda e fala um pouco, mesmo que não explicitamente, do que tô sentindo agora: dessa necessidade de destruir para construir, de terminar para recomeçar, de pensar que é o fim para se encontrar um caminho que é só recomeço.

3 comentários:

  1. Pessoa,

    por dentro, nós, assim como toda reforma-obra, temos um ponto que embora nossa "linearidade" - faço minha sua palavra- mtas vezes encare como incômodo, é mto bom: Nunca estamos terminados!!! Bora ser gente grande! Quebrar, construir e reformar! Amo que amo!

    ResponderExcluir
  2. A desconstrução, rompe as nossas barreiras, expõe as nossas fraquezas, medos mas nos fortalece, faz com que nos olhemos e provoca a reconstrução, melhor o nosso lar, melhor nós como seres humanos.
    Bjos
    Lilian

    ResponderExcluir
  3. Estou vendo só agora seu Blog, nossaaaaaaaa!! encontrei um conforto em suas palavras, vi que n estou sózinha com minha reforma!Acordo e durmo pensando na bagunça,oque vou enfrentar etc...!! mas me sinto mais forte agora...obrigada!!abraço.

    ResponderExcluir